quinta-feira, 17 de abril de 2014

GRUPO ARCTURIANO - PERDA





Mensagem do Grupo Arcturiano
Por Marilyn Raffaele
13 de abril de 2014

 


Saudações do Grupo Arcturiano.


Estamos observando cada vez mais luz vertendo dos corações da humanidade – sempre aumentando de acordo com o desenvolvimento da consciência de todo indivíduo.


Há alguns que antes eram incapazes de oferecer até um sorriso para um estranho, mas que agora se sentem à vontade e gostam de dá-lo...


Essas ações aparentemente simples indicam uma alteração pessoal e global.


A capacidade de expressar luz depende do estado de consciência de uma pessoa, então tentem não julgar um indivíduo como sendo mais espiritual que outro.


Cada um somente pode viver a partir de seu estado mais alto de conscientização e quando se faz isso, mais se desenvolve.


A discórdia e a dor no mundo estão refletindo a jornada da humanidade para deixar o velho e passar para o novo, expondo energias densas há muito tempo mantidas em locais e pessoas.


Diariamente todos aqueles abertos e receptivos estão descobrindo que esta verdade está se revelando para eles em níveis cada vez mais profundos e eles não ressoam mais com aquilo que antes era interessante para eles.


Ouçam à sua intuição, queridos, pois é dela que vocês obterão sua orientação.


Tentem se desvencilhar da consciência universal do mundo tridimensional que apresenta um certo e um errado para toda situação.


Nunca confiram poder a nada... essa é a chave.


Somente existe UM PODER e ele apenas É.


O cenário humano reflete ambos, o bom e o mau – as expressões externas de uma consciência mundial de dualidade e separação.


Conscientizem-se de que quadros bons não são mais reais do que quadros maus, pois ambos refletem dualidade, queridos, e cada um é apenas uma das pontas do bastão da dualidade.


Os indivíduos trabalham muito arduamente para viver com o lado “bom” da moeda voltado para cima, mas mais cedo ou mais tarde ela irá virar, pois enquanto há uma consciência de dualidade e separação, ela se manifestará – não existe consciência não manifesta.


Vocês são criadores, queridos, não meros humanos como vocês foram levados a acreditar.


Nós desejamos falar sobre perda, que pode ser uma experiência difícil e dolorosa para aqueles que se agarram firmemente às vidas com que eles se tornaram tão confortáveis.


A perda traz com ela a tristeza vazia de saber que alguma coisa ou alguém se foi e não voltará... pelo menos não como antes.


A perda normalmente é experienciada como remorso, tristeza, frustração, desespero e frequentemente é acompanhada por uma busca frenética de reclamar o que foi perdido.


Olhar para trás e desejar locais, pessoas e experiências que se encerraram ou ficaram para trás desacelerará o despertar espiritual porque as novas verdades não podem entrar em uma consciência que não está aberta e já está preenchida com o velho.


O véu do esquecimento que vem com a encarnação faz com que a maioria tenha fé somente naquilo que pode ver, ouvir, provar, tocar ou cheirar e então agarra-se firmemente a qualquer coisa que dá esperança, prazer, conforto e alegria.


É importante mencionar aqui que o processo de limpar a energia antiga está trazendo a lembrança consciente de muitos eventos do passado.


Não é igual a desejar que eles retornem.


No processo de limpeza, vocês podem sentir as emoções de tristeza ou perda, mas estão dispostos a deixar fluir e partir... sem tentar recriar ou se prender ao passado se foi bom ou se livrar se foi ruim.


Perdas de todos os tipos estão se manifestando nessa época porque a energia que criou e manteve essas coisas está se dissolvendo.


A vida na Terra é para aprender e crescer e não é para durar para sempre.


Todo o propósito de escolher a experiência terrena é crescer cada vez mais intensamente para uma consciência da verdade com a experiência.


O crescimento se dá inconscientemente para os iniciantes (almas mais jovens), mas aqueles de vocês lendo estas mensagens não são almas jovens, e estão preparados para entender as experiências como lições, perguntando-se:


O que devo aprender com isto?


Qual conceito ou crença que eu ainda mantenho em minha consciência se manifestou como essa experiência?


As experiências terrenas não são designadas a sempre serem difíceis e sem alegria, pois a alegria é a energia mais próxima do Divino e é seu Direito de Nascença Divino.


É apenas pelos éons de ignorância no sistema de crença tridimensional que tantas situações dolorosas são criadas.


Há aqueles que ainda não se permitem (a si ou aos que estão ao seu redor) experiências de alegria pela falsa crença de que se deve sofrer e se privar para ser espiritual.


Isso é absurdo... conversa fiada de religiosidade.


Encontrem as coisas que lhes trazem alegria e aproveitem-nas enquanto não tentam se agarrar a elas caso elas se forem em algum momento.


É somente com o deixar ir que o novo ou o melhor pode se manifestar.


Emoções doloridas de perda são normais e é preciso não se resistir a elas, pois a resistência transforma aquilo a que se resiste em uma força a que se precisa resistir.


Estudantes espirituais sérios podem cometer o erro de dizer:


Ah, preciso não pensar nisso, preciso não sentir isso ou aquilo... não é real, é ilusão.


Quando a perda fizer parte de sua experiência e vocês sentirem as emoções que a acompanham, autorizem, sintam e reconheçam o que vocês estão experimentando.


A espiritualidade nunca se trata de negação, trata-se de chegar a perceber que realmente não existe nada precisando ser negado.


Então vocês começam a se lembrar de que as aparências exteriores são temporárias e que na realidade nada pode separá-los de quem e do que vocês são.


A dor diminui e desaparece e vocês continuam – agora com uma conscientização mais profunda.


A hora é agora de reivindicar sua divindade e de assumir a responsabilidade por suas criações.


Vocês estão no ponto de mudar para um estado mais profundo de consciência e muitos estão preparados, mas não dispostos.


Para muitos devem vir as experiências de perda a fim de tirá-los de sua zona de conforto.


A perda de pessoas, bens e experiências que antes mantinham o conforto e a alegria pode ser necessária para um indivíduo mudar para o próximo estágio de sua evolução.


Experiências de perda forçam a descoberta e a criação de experiências novas e frequentemente melhores de alegria, paz e luz... refletindo aquilo que já está no interior, mas não é reconhecido e não requer a manipulação tridimensional.


A perda é uma experiência percebida.


Nada real jamais pode ser perdido devido ao fato de que é mantido infinitamente na Consciência Divina por lei.


Vocês não são UM com a Consciência Divina, vocês são a Consciência Divina (não em seu estado humano, mas em sua verdadeira essência).


Este está se tornando seu novo estado de consciência... o resultado de uma jornada da sensação de separação total para uma percepção da unidade.


Pode parecer levar um tempo muito longo do ponto de vista humano, mas existem muitos caminhos diferentes, todos levando para o alto da mesma montanha... alguns sinuosos, alguns retos.


Reconheçam e liberem quaisquer medos que acompanham a perda o mais breve possível, pois aquilo que foi criado uma vez pode ser criado novamente e se vocês estiverem espiritualmente cientes, se manifestará de uma forma superior e melhor do que antes.


O medo é uma das maiores barreiras para o desenvolvimento da consciência, seja o medo do desconhecido ou o medo de algo tangível.


O medo tem uma ressonância energética muito baixa e reflete uma crença na separação... separação do seu bem (Deus) e do que ele representa para vocês.


A lição de hoje foi sobre deixar ir a dependência de alguma coisa do exterior.


A humanidade deve usar e aproveitar as coisas da Terra, mas erroneamente passou a acreditar que não pode sobreviver sem elas.


Sempre se lembrem de que qualquer coisa do exterior representa o sentido material (interpretação mental) de uma realidade espiritual mais profunda.


Vivam, amem, aproveitem, cantem, dancem, brinquem, estudem, sirvam, sejam servidos, mas nunca se esqueçam de quem vocês são...


Nós somos o Grupo Arcturiano.


Fonte: http://www.onenessofall.com/

Tradução: Blog SINTESE http://blogsintese.blogspot.com

Nenhum comentário :